Ensino Doméstico, uma alternativa mais saudável?

O recente aumento de crianças em Ensino Doméstico e a procura de condições educacionais mais saudáveis.

Terça-feira, 11 Outubro


A propósito do artigo publicado ontem, dia 10 de outubro, pelo Diário de Notícias (http://www.dn.pt/sociedade/interior/ha-dez-vezes-mais-alunos-que-tem-a-escola-em-casa-5432731.html), dando conta do grande aumento de alunos em Ensino Doméstico, nos últimos quatro anos, em Portugal, torna-se importante fazer uma reflexão sobre as razões desta crescente tendência. Já em 2012 a revista Visão tinha apresentado este tema como uma alternativa cada vez com mais adeptos.


Não se pode deixar de ter em conta que esta opção está muito em voga atualmente noutros países da Europa, mas o que leva muitos pais a tomar a responsabilidade pelo ensino dos filhos em casa ou em centros/comunidades de aprendizagem alternativos prende-se muito mais com a insatisfação relativamente ao ensino institucionalizado em Portugal.


O ensino nas escolas públicas ou privadas pouco tem evoluído nas últimas décadas, enquanto que as crianças, essas, são cada vez mais diferentes. As pedagogias que apostam ainda na memorização e na comunicação unilateral por parte do professor, fomentam o culto da nota e consequentemente a competição pouco saudável entre colegas, a massificação que ignora as características particulares de cada um, os programas de matemática demasiado exigentes para a maturidade intelectual dos alunos, o excessivo número de alunos por turma, o exagero de horas letivas logo no 1º ciclo, o bullying, a quantidade de tpcs, entre outros, fazem do ensino em Portugal pouco benéfico para os alunos, quer se tenha consciência disso ou não.


Como diz o Professor Eduardo Sá: “em Portugal ainda estamos a funcionar em função do passado”. “A formação de professores continua mais ou menos igual e ainda não percebemos que as escolas não servem para construir jovens tecnocratas de sucesso, mas para construir pessoas melhores.” (in http://www.educare.pt/noticias/noticia/ver/?id=114062&langid=1).


Posto isto, para os pais com maior consciência destas questões é urgente encontrar opções mais saudáveis, que respeitem a autonomia, o ritmo e a singularidade de cada criança, que privilegiem o contacto com a natureza e sobretudo que tornem os filhos mais felizes. Pais de alunos já em Ensino Doméstico, em casa ou em Centros de Aprendizagem, confirmam situações de crianças mais tranquilas e satisfeitas, com maior qualidade de vida familiar.


Nesse sentido, o Centro de Estudos Pé Direito, em Carcavelos, lançou este ano letivo os serviços de Ensino Doméstico e Apoio ao Ensino Doméstico para o 1º Ciclo.


Apresenta um modelo de ensino baseado na Escola Moderna, dando primazia à autonomia e responsabilidade da criança, em respeito pelo seu ritmo e em pequenos grupos. Os horários são apenas da parte da manhã, em opção de 2, 3 ou 4 vezes por semana. Inclui ainda Arte-Terapia e Meditação e é feito num espaço aberto à natureza.


O Apoio ao ED visa orientar pais e alunos no ensino feito no domicílio.


Para mais informações, nada melhor do que uma visita para conhecer o espaço e as pessoas responsáveis.


 


 


 

O conteúdo, assim como qualquer opinião expressa neste artigo são da inteira responsabilidade dos seus autores e não coincidem necessariamente com a posição do edukness. Exceção feita aos artigos da nossa autoria e devidamente identificados.
facebook pixel